.

.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Chicão: inocente ou culpado?

Ainda não havia me pronunciado a respeito do episódio envolvendo o árbitro Francisco Carlos do Nascimento e a máfia do apito, erupcionada na Paraíba. Esperei propositalmente os fatos se desenvolverem para poder emitir minha opinião, coisa que faço neste post.


Chicão quer afastar para bem longe as denúncias que pairam contra ele

Sei que vou chocar muita gente, mas acredito na inocência do Chicão. As "provas" apresentadas não são  robustas e precisam de algo mais incisivo para que se possa firmar juízo de valor. A conversa a que tive acesso, entre Chicão e o Presidente do Campinense William Simões, não deixa claro ter ocorrido um possível "esquema" para ajudar o time de Campina Grande. No jogo apitado por Francisco Carlos, entre Campinense x Botafogo, pela decisão do Paraibano de 18, não há lances polêmicos. A Polícia da Paraíba, sequer chamou o árbitro para depor durante o período de investigação. Para completar, Chicão tem mostrado muita segurança nas entrevistas que tem concedido a respeito do tema e ainda abriu, espontaneamente, os sigilos telefônico e bancário. 

Claro que tudo isto só não basta. A investigação terá que ser aprofundada e todos os fatos buscados. Seguramente ainda existe muita coisa a ser  apurada. Esperamos que os culpados sejam punidos exemplarmente e que os inocentes não sejam execrados. Que depois de tudo os puros saiam com uma carta de idoneidade.

terça-feira, 15 de maio de 2018

Ainda o gramado do Trapichão

O Presidente da Federação Alagoana de Futebol Felipe Feijó mostrou-se preocupado com a condição do gramado do Estádio Rei Pelé, em Maceió, e declarou que vai procurar a Secretaria do Esporte, Lazer e Juventude para saber o motivo da queda da qualidade do piso do campo de jogo. 


Bombeiros militares antes de amistoso no Rei Pelé

A preocupação de Feijó veio depois que o técnico do CSA Marcelo Cabo reclamou da cancha, após a vitória por um a zero, no último sábado, 12, em partida disputada com o Boa Esporte (MG). O assunto ganhou corpo, visto que o treinador do Boa também criticou severamente a relva do Trapichão.

Agora a palavra está com a Secretária Cláudia Petuba (PC do B), a quem compete administrar o Estádio, que é patrimônio do povo alagoano. Qualquer problema que acarrete gastos que saiam do bolso dos contribuintes, é da responsabilidade da catecúmena Petuba. Claro que o Governador Renan Filho, que a mantém no cargo, também é responsável. A gestão da Selaj atingiu um desgaste de tal ordem que já se justifica a substituição da noviça Petuba.