.

.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Justiça afasta Prefeito de São Brás

Por decisão da Juíza Fabíola Feijão, da Comarca de Porto Real do Colégio (AL), foi afastado do cargo o Prefeito de São Brás, cidade que fica às margens do Rio São Francisco, em  Alagoas, atendendo denúncia do Ministério Público feita pela magistrada Eloá de Carvalho Melo. Antônio Costa Borges Neto (PSDB) teria cedido funcionários do Município para trabalhar na Unus Engenharia - empresa de Arapiraca -,  que venceu uma licitação para a construção de um cais na localidade de Lagoa Cumprida, em São Brás. A denúncia foi feita por um barnabé da Prefeitura que foi designado para ajudar na obra, após um desentendimento com a municipalidade, alegando que a firma utilizada na construção era de fachada. 

Ouvido pelo Blog, Neto confirmou que o rapaz realmente   trabalhou no empreendimento, mas que quando do fato, já não era mais funcionário do Município de São Brás. Disse ainda que não tomou conhecimento oficial do afastamento e que quando a decisão for oficializada,  vai recorrer. Entende que o acontecido tem relação meramente política e que o caso não irá atrapalhar o processo eleitoral deste ano, visto que apoia o atual Vice-Prefeito Marcos Sandes (PMDB)  e está convencido da vitória do pré-candidato. "Isso não vai atrapalhar a eleição. O povo de São Brás me conhece e sabe da minha conduta à frente do Executivo Municipal", disse Neto ao Blog. O Prefeito afastado comentou acreditar que o afastamento tem relação com uma outra obra, que também teve a licitação vencida pela Unus, mas que não foi realizada por falta de verba. Era a pavimentação  de uma estrada que atenderia aos moradores do povoado Massaranduba. "A Promotora Eloá visitou o lugar, não encontrou a estrada feita e solicitou o envio de documentação. Não enviei porque a estrada não foi feita. Penso que o problema pode residir na estrada e não no cais", completou Neto.


Cidade começa a ficar deserta por falta de entes essenciais ao desenvolvimento


Com o afastamento do Prefeito assume no lugar dele o Vice Marcos Sandes (PMDB). Da decisão ainda cabe recurso. Agora a cidade que já estava sem Fórum, sem Delegacia, sem banco, sem cinema e sem cartório-eleitoral, está também sem o Prefeito titular. O último a sair que apague a luz.